Publicado por: fgalvao | Abril 27, 2007

Iluminismo em Portugal

Visite o nosso novo site – http://www.forumfilosofia.pt.vu

Postado pelo utilizador strasser

Com expressão mais acentuada a partir de 1740, as primeiras manifestações de participação da cultura nacional na dinâmica do pensamento iluminista remontam à actividade intelectual e académica de D. Rafael Bluteau e do 4.º Conde da Ericeira, D. Francisco Xavier de Meneses (Academias em Portugal), vindo a consolidar-se progressivamente através de outros marcos importantes. De entre eles cumpre destacar a instituição, sob os auspícios de D. João V, da aula de Física Experimental no Palácio das Necessidades, a cargo da Congregação do Oratório, assim como as lições de Filosofia proferidas, no seio da referida Congregação, pelo P. João Baptista e mais tarde impressas na sua obra Philosophia aristotelica restituía (1748). A década de 40 ficará, todavia, assinalada pela publicação de dois textos bem representativos do nosso iluminismo: a Lógica Racional Geométrica e Analítica, de Manuel de Azevedo Fortes, e o Verdadeiro Método de Estudar, de Luís António Verney. A polémica gerada em torno desta última obra constituiu um dos mais importantes momentos de afirmação do ideário das «Luzes», pois se revestiu de um papel dinâmico em que a discordância e a defesa, passadas a letra impressa, não deixariam de difundir o ideário principal do movimento em questão.
Coincidindo praticamente com a ascensão de Pombal, o iluminismo viria a adquirir em Portugal uma feição de Estado, no quadro do despotismo esclarecido, verificando-se, pois, uma clara aliança entre iluminismo e política. Neste contexto, o de uma profunda identificação com as ideias do Estado absoluto, devemos destacar, como momentos da sua afirmação, a publicação do De Suprema Regum, de António Pereira de Figueiredo, da Dedução Cronológica e Analítica, do Compêndio Histórico do Estado da Universidade de Coimbra (1771) e dos Estatutos da Universidade de Coimbra (1772), assumindo a segunda e a terceira dessa obras um carácter nitidamente panfletário e ideológico, articulado com a tese dos estragos causados pela Companhia de Jesus.
Tal como os vários iluminismos europeus, a filos. sob o signo das «Luzes» revestiu-se, entre nós, do mesmo carácter omnicompreensivo e multidisciplinar, enquanto meio geral da compreensão, afirmando-se por uma via essencialmente polémica, alimentada através de uma contraposição sistemática entre épocas de «luz» e «trevas», aferidas pelo tribunal da razão. Nesse sentido, elegeu para alvo de crítica impiedosa o designado «Seiscentismo» e os seus protagonistas, a Companhia de Jesus, a respeito dos quais ergueu a tese da crise e decadência da cultura e das instituições, com o fim de se afirmar, perante o País, através de um ideal de salvação nacional. Foi nessa ambiência que veiculou, com a mesma intensidade, o optimismo presentista dos «Modernos», expresso em palavras-chave como o «progresso», a «razão» ou a «natureza». Tendo como suporte teórico o sensismo de Locke e a epistemologia de feição newtoniana, com a consequente oposição crítica ao designado «espírito de sistema» cartesiano (exceptuando o compromisso tentado por Azevedo Fortes), orientou-se por um ideal de reforma da vida do homem em sociedade e encontrou no eclectismo – alicerçado na atenção prestada à história da Filos. – a forma eficaz e crítica de constituição do seu ideário global e na pedagogia e na política os canais privilegiados da sua intenção reformista.
No entanto, o espaço cultural europeu da 2.ª metade do séc. XVIII não representou uma totalidade homogénea: nem o iluminismo se pode considerar como representante exclusivo de todos os intelectuais da época, nem no interior desta corrente podemos descortinar uma atitude de uniformidade intelectual que não dê guarida a momentos diferenciadores marcantes. Deste modo, o Iluminismo em Portugal foi mais permeável à influência italiana de um Muratori e de um Genovesi, por razões que se prendem com a presença de uma tradição intelectual cristã e católica, adversa aos princípios do deísmo e do materialismo que se vinham afirmando tanto em Inglaterra como em França. Assim, a história das ideias tem consagrado a expressão «iluminismo católico», entre nós veiculado por Cabral de Moncada, defendendo embora outros autores que, em rigor de termos, seria preferível falar antes em «católicos que se situaram dentro dos parâmetros das Luzes». Deixando de lado a questão terminológica, o facto é que o Iluminismo em Portugal conheceu, no seu conteúdo fundamental, uma preocupação de salvaguarda dos domínios da revelação e da fé, em harmonia com a razão, traduzindo-se, nomeadamente, na existência de uma corrente literária de feição apologética, na linha de Huet, Bergier e Abbadie (Ribeiro dos Santos, Cenáculo, Teodoro de Almeida). Nesse sentido, a actuação do poder político na perseguição aos jesuítas ou nas suas dissensões com a cúria romana não traduziam um ideal irreligioso, mas antes uma preocupação em delimitar esferas de acção, secularizando a sociedade e espiritualizando a acção da Igreja.
Sempre enquadrado pelo ideal reformador e pelo pedagogismo vigente, o âmbito de reflexão disciplinar dos teóricos das «Luzes» desenvolveu-se em todos os domínios do saber: desde a recuperação do ideal humanista, ligado ao ensino das línguas antigas (latim, grego e hebraico) e da retórica, consignado pelo Alvará de 28.6.1759, à filos. natural, consagrada nos Estatutos da Universidade na via experimentalista de Newton, passando pela filos. racional ou lógica, influenciada pelo sensismo lockeano, até à filos. moral, preocupada com a delimitação entre a ética, como luz da «pura razão», e a teologia moral, instituindo ainda um importante campo de reflexão no âmbito da teoria do direito natural.
Começando pelo caso das «humanidades», a importância que lhes foi atribuída pelos nossos reformadores, no quadro dos «estudos menores», revela o papel primordial conferido à teologia e ao direito como disciplinas de que o Estado absoluto não poderia prescindir. A inclusão da retórica emergia da preocupação pedagogista, ligada à eficácia persuasiva do discurso, no contexto da comunicação, de acordo com os padrões neoclássicos do gosto. Por seu rumo, a publicação do referido alvará veio pôr termo a uma intensa polémica gerada em torno do método de ensino do latim, opondo jesuítas e oratorianos, e na qual transparecia o ideal de simplificação dos métodos pedagógicos, na linha de Port-Royal. Nesse sentido, ordenava o texto legal a substituição do compêndio do jesuíta M. Álvares pela gramática do oratoriano A. Pereira de Figueiredo. O caso da retórica é ainda merecedor de referência, pois é por seu intermédio que podemos descortinar o panorama das ideias estéticas entre nós, a coberto da polémica do «bom» e do «mau gosto», conduzido sob o signo teórico de L. Muratori. Este tema assumirá singular expressão nos textos da polémica em torno do Verdadeiro Método de Estudar e representa, em termos gerais, uma crítica global à vigência barroca do figurativo («estilo figurado»), sublinhando, agora, o primado do «estilo simples», quase sempre designado por «estilo natural», identificado com uma prosa analítica e conceptual. A Cândido Lusitano (Francisco José Freire) se ficou a dever, entre nós, a primeira e canónica definição de «bom gosto».
Articulada com o estatuto da retórica e assumindo perante ela um papel primacial, encontrava-se a lógica. Difundida entre nós na esteira de Locke e, eclecticamente, na linha de Port-Royal, revelará desde o início uma feição fortemente psicologista, ligada ao estudo das funções e natureza das operações da mente, no âmbito do processo do conhecimento. É no quadro da lógica que se tecerão as críticas comuns à tese das ideias inatas e ao «espírito de sistema» subjacente, em nome de um ideal não já sintético mas analítico de constituição da verdade. Analisando o processo de constituição das ideias e da formação dos juízos e raciocínios, no âmbito do conhecimento, preocupam-se os teóricos da lógica com o problema da sua comunicação e transmissão, abordado sistematicamente na quarta e última parte das obras de lógica, sob a designação geral de «método». A reflexão em torno do «método» traduzia invariavelmente a influência da obra de Nicole e Arnaud, La Logique ou l’art de penser, conhecida pela designação de Lógica de Port-Royal. Aí se definia o método como a «arte» de bem dispor os pensamentos e as ideias, a fim de descobrir a verdade, quando a ignoramos, ou de a provar e comunicar aos outros, quando a possuímos. Deste modo se definiam dois tipos de método: um que regulamenta os procedimentos para a «descoberta» da verdade, designado como método analítico, de invenção ou de resolução; outro que aborda a ordem e disposição das ideias a fim de transmitir a verdade, quando a possuímos, designado como método sintético, de composição ou de doutrina. Atendendo à importância conferida pelo pombalismo à pedagogia, é sobre este último que os teóricos se debruçarão com maior afinco, definindo a ordem e disposição das ideias, no processo expositivo e didáctico, à luz do geometrismo reinante desde a dialéctica ramista, procurando fazer extensível ao ensino das diversas disciplinas a evidência, simplicidade e clareza das demonstrações geométricas.
Revelando uma preocupação de pragmatismo e eficácia no âmbito do ensino, o tema do «método» converteu-se também num excelente e nunca esquecido instrumento de crítica da pedagogia da Companhia de Jesus, acusada de abuso da prolixidade e de «reduzir tudo a incertezas». Por outro lado, deve sublinhar-se que a uniformidade possibilitada pelo «método geométrico» correspondia, ao fim e ao cabo, à «lógica» do Despotismo esclarecido e do Estado absoluto.
A reflexão em torno da filos. moral, nela enquadrando os deveres do homem para com Deus, para consigo e para com o próximo, e outro dos espaços disciplinares em que se desenrolam os debates do nosso iluminismo. Defendendo a autonomia da ética perante a teologia e a moral revelada, a filos. moral é-nos definida, nos textos pombalinos, como o «órgão da razão» pelo qual a natureza racional se explica e comunica com o homem. A sua origem última, diz-se no Compêndio Histórico, é Deus, «que encarregou à natureza racional, de que o tinha dotado [o homem], a legislação e o magistério preciso». Trata-se, assim, de uma moral racional ou natural enquadrada pela noção de «lei natural» enquanto participação da «lei eterna» e expressão, no homem, das finalidades essenciais da sua natureza. É a filosofia moral, então, a disciplina que recolhe e une em sistema os ditames da natureza racional do homem, a fim de «avivar a memória deles quase apagada e extinta nos nossos espíritos pela culpa original».
O desejo de autonomia da ética vinha sendo afirmado, com particular insistência, desde Verney, não lhe faltando mesmo uma justificação de ordem apologética, a qual residia, segundo esse autor, na necessidade de responder ao deísmo com as mesmas armas com que este atacava o cristianismo. Com efeito, uma vez delimitada a ordem da razão, passam os textos do nosso iluminismo a teorizar a insuficiência desta, atendendo à finalidade última da natureza espiritual do homem, assim como à própria condição de natureza humana decaída., decorrente da queda original. Assim é que, diz-se no Compêndio Histórico, uma vez deduzidos da razão natural os preceitos relativos aos ofícios do homem e do cidadão, devem aqueles ser confrontados com a revelação para assim se poder conhecer por demonstração a posteriori se as deduções que deles se haviam feito tinham sido legítimas e foram verdadeiramente ditadas pela natureza, pois, «achando-se contrários à revelação, não podiam ser verdadeiros ditames da Razão cristã».
Deste modo se postulava o problema da harmonia e concórdia entre a Natureza e a Graça, a Razão e a Revelação, defendendo-se que, não sendo os preceitos da filos. moral conformes aos da moral revelada, tal se ficaria a dever ao facto de estarmos perante princípios «mal deduzidos».
Neste campo teórico se situam igualmente as reflexões em torno do direito natural, aflorando aos textos pombalinos, na vertente pufendorfiana, a partir de finais da década de 60, com a obra de António Ribeiro dos Santos. Não quer isto dizer que antes dessa época não tivessem ecoado em Portugal os princípios jusnaturalistas de feição não escolástica, mas sim que, na primeira fase do pombalismo, se optou por um discurso «histórico e jurisdicista», por um lado, e «teológico-canónico», por outro, melhor adaptados às tarefas de eliminação dos resquícios da monarquia mista que vinham aflorando desde o século anterior, assim como ao objectivo fundamental de defesa da autonomia do Estado perante a Igreja e da sua supremacia em todo o temporal desta (cf. Silva Dias). Da primeira tarefa, a da fundamentação teórica do Estado absoluto, se desempenhou principalmente a Dedução Cronológica e Analítica, escrita sob a inspiração de Pombal, a fim de, com amplo recurso à história do direito pátrio, mostrar que a monarquia portuguesa, formada por conquista patrimonial em guerra justa, sempre fora uma monarquia pura, vituperando, ao mesmo tempo, os jesuítas, acusados de defender teses contrárias. Já no que se refere ao problema das relações entre o sacerdócio e o Império, deve destacar-se a obra de A. Pereira de Figueiredo, a qual, na base de um discurso predominantemente teológico e com amplo recurso à história da Igreja, aponta, defendendo-as, as teses fundamentais do regalismo.
Quanto à obra de A. Ribeiro dos Santos, prefigura uma fase de transição, onde, a par de uma fundamentação do absolutismo e do regalismo, na base de um discurso canónico, pois se tratava de um doutoramento em Cânones na Univ. de Coimbra, se denota já uma reflexão em torno dos preceitos do direito natural, sob influência de Pufendorf e com ampla referência a A. Genovesi. Todavia, o primeiro texto em que o jusnaturalismo moderno aflora com tratamento mais sistemático, denunciando, ao mesmo tempo, uma adesão clara da ideologia oficial, é precisamente o Compêndio Histórico, logo seguido da sua consagração nos Estatutos da Universidade. Tal se ficava sem dúvida a dever ao esforço de delimitação da ética como emanação da razão, analisando então, em pormenor e prescindindo igualmente de todas as leis positivas, as obrigações que a «natureza» impõe ao homem e ao cidadão, as obrigações de cada um para com Deus, para consigo e para com os outros homens, os recíprocos direitos dos soberanos e dos vassalos, assim como os direitos das nações independentes e livres, expressos no «direito das gentes». Tais preceitos deveriam servir, imprescindivelmente, de fundamento a todas as leis positivas, constituindo as alterações históricas a que estas se encontram sujeitas outros tantos ajustamentos, impostos pelas circunstâncias, ao direito natural, imutável e universal.
O apelo à «natureza» mais não pretendia do que conferir aos preceitos jurídicos um fundamento de universalidade, independente das particularidades nacionais e culturais, as quais apenas de forma adventícia se manifestariam. No plano das ideias religiosas, tal como já sucedera com a ética, reagiram os nossos teóricos às teses da suficiência da religião natural admitindo-a e legitimando-a, no entanto, enquanto instância preliminar e universal, no seu conteúdo essencial: o reconhecimento da existência de Deus, a imortalidade da alma, o prémio e o castigo divinos. Possuindo, assim, um âmbito teórico e prático passível de delimitação, a religião natural é, todavia, insuficiente, atendendo à corrupção da natureza humana após o pecado, necessitando esta do auxílio da Graça a fim de que possa viver, nas palavras de Bento Farinha, «ajustadamente a seu fim e caminhar directamente para ele». De igual modo, de acordo com a tradição anterior e coeva, soube proceder à utilização da investigação científica com fins apologéticos, na linha de Derwam e Pluche, consignada na atenção prestada à teologia natural.

TEXTOS

Jacob de Castro Sarmento, Proposiçoes para Imprimir as Obras Philosophicas de Francisco Baconio, Londres, 1731; id., Theorica Verdadeira das Mares Conforme a Philosophia do Incomparavel Cavalheiro Isaac Newton, Londres, 1737; Martinho de Mendonça Pina e Proença, Apontamentos para a Educação de hum Menino Nobre, Lisboa, 1734; Azevedo Fortes, Lógica Racional, Geométrica e Analítica, Lisboa, 1744; Luís António Verney, Verdadeiro Método de Estudar, Valensa, 1746 (nova ed. de J. Salgado Jr., Lisboa, 1949-1952); id., Aparatus ad Philosophiam et Theologiam… Libri Sex, Roma, 1751; id., De Re Logica…Libri quinque, Roma, 1751; id., De Re Metaphysica…Libri quatuor, Roma, 1753 (acerca dos textos da polémica, cf. Banha de Andrade); João Baptista, Philosophia Aristotelica. Restituta et illustrata qua experimentis qua ratiociniis nuper inventis, Lisboa, 1748; Teodoro de Almeida, Recreação Philosophica, Lisboa, 1758-1800; Manuel Álvares, Instrução sobre a Lógica ou Diálogo sobre a Filosofia Racional, Lisboa, 1760; id., Historia da Creação do Mundo Conforme as Ideias de Moizes, e dos Filosofos, Porto, 1762; Antonio Pereira de Figueiredo, Theses quas… inscripsit – Doctrinam veteris ecclesiae de Suprema regum etiam in clericos potestate…, Lisboa, 1765; id., Tentativa Teológica, Lisboa, 1766; id., Demonstração Theologica, Lisboa, 1769; António Ribeiro dos Santos, Dedução Cronológica e Analítica…, Lisboa, 1768; Compêndio Histórico do Estado da Universidade de Coimbra (1771), Coimbra, 1971; Estatutos da Universidade de Coimbra (1772), Coimbra, 1972; De Sacerdotio et Imperio, Lisboa, 1778 (cf. bibl. completa em J. Esteves Pereira); Frei Manuel do Cenáculo, Disposições…, Lisboa, 1776; id., Memórias Históricas do Ministério do Púlpito…, Lisboa, 1776; id., Cuidados Leterários…, Lisboa, 1791 (bibl. completa em F. da Gama Caiero); id., Memórias Históricas e Appendix Segundo…, Lisboa, 1794; António Soares Barbosa, Discurso sobre o Bom e Verdadeiro Gosto da Philosophia Moral (1776); id., Tratado Elementar de Philosofia Moral, 1792, 2 vols.; António Nunes Ribeiro Sanches, Cartas sobre a Educação da Mocidade (1760), Coimbra, 1959.

BIBLIOGRAFIA
Luís Cabral de Moncada, «Origens do moderno direito português», in Integralismo Lusitano, vol. I, 1932; id., Subsídios para uma História do Direito em Portugal, Coimbra, 1938; id., Conceito e Função da jurisprudência Segundo Vernei, Coimbra, s/d; id., Estudos de História do Direito, vol. III, Coimbra, s/d, Mário Brandão e Lopes de Almeida, A Universidade de Coimbra, Esboço da sua História, Coimbra, 1937; A. A. Andrade, Vernei e a Filosofia Portuguesa, Braga, 1946; id., Bibliografia da Polémica Verneiana, Lisboa, 1949; id.. Vernei e a Cultura do seu Tempo, Coimbra, 1966; id., A Reforma Pombalina dos Estudos Secundários no Brasil, São Paulo, 1978; id., A Reforma Pombalina dos Estudos Secundários (1759-1771), s/d; Mariani A. M. Santos, Os Filósofos «Recentiores» do Século XVIII em Portugal, Coimbra, 1946; id., Bento José de Sousa Farinha e o Ensino, Coimbra, 1948; id., Vernei contra Genovesi. Apontamentos para o Estudo da De Re Logica, Coimbra, 1949; J. S. Silva Dias, Portugal e a Cultura Europeia (Sécs. XVI a XVIII). Coimbra, 1953; id., O Electismo em Portugal, Genese e Destino de uma Atitude Filosófica, Coimbra, 1972; id., «Pombalismo e teoria política», in História e Filosofia, vol. I. Lisboa 1982; id., «Pombalismo e projecto político», in ibid., vol. II, pp. 185-318, 1983; id., «Pombalismo e Projecto político» (cont.), in ibid., vol. III. pp. 27-181, 1984; J. Pereira Gomes, Começos da Historiografia Filosófica em Portugal, Lisboa, 1956; id., «Sistemas eucarísticos na filosofia portuguesa do século XVIII, in Lumem, Abril, 1964; Maria del Carmen Rovira, Ecléticos Portugueses del siglo XVIII, México, 1958; Francisco da Gama Caeiro, Frei. Manuel do Cenáculo. Aspectos da sua Actuação Filosofica, Lisboa. 1959; id., Concepções Historiográficas Setecentistas na Obra de Frei Manuel do Cenáculo, Lisboa, 1978; id., O Pensamento Filosófico do Século XVI ao Século XVIII em Portugal e no Brasil (Actas do I Congresso Luso-Brasileiro de Filosofia), in Rev. Port. Filos., t. XXXVIII, Braga, 1982, pp. 51 a 90; id., Livros e Livreiros Franceses em Lisboa, nos Fins de Setecentos e no Primeiro Quartel do Século XIX, Coimbra, 1980; id., Nótula sobre Vernei, Coimbra, 1984; J. V. Pina Martins, Temas Verneianos, Lisboa, 1960; Ofélia Milheiro P. C. Monteiro, No Alvorecer da iluminismo em Portugal. D. Francisco Xavier de Meneses, 4.º Conde da Ericeira, sep. da Rev. de História Lit. em Portugal, vol. I, 1964; A. Pereira da Silva, A Questão do «Sigilismo» em Portugal no Século XVIII, Braga, 1964; J. Borges de Macedo, «Vias de expressão da cultura e da sociedade portuguesa nos sécs. XVII e XVIII», in Academia Internacional da Cultura Portuguesa, Lisboa, 1969; id., Estrangeirados, um Conceito a Rever, Lisboa, s/d; Laerte Ramos de Carvalho, As Reformas Pombalinas da Instrução Pública, São Paulo, 1978; J. Marcadé, Frei Manuel do Cenáculo Vilas Boas … Paris, 1978; Joaquim de Carvalho, «Evolução da historiografia Filosófica em Portugal Até Fins do século XIX», in Obra Completa, vol. I, Lisboa, 1981, pp. 122 a 153; Adolfo Crippa, Conceito de filosofia na época pombalina-, in Actas do I Congresso Luso-Brasileiro de Filos. (Rev. Port. Filos.). t. XXXVII-II, fasc. 4., Out.-Dez., Braga, 1982, pp. 435-449; Maria Cândida Monteiro Pacheco, «Filosofia e ciências no pensamento português dos séc. XVII e XVIII»., in ibid., t. XXXVIII-II, pp. 474-486, 1982; Domingos Guimarães Marques, «A Filosofia do Direito em Portugal do séc. XVI ao séc. XVIII., in ibid., pp. 470-473, 1982; António Paim, «Categorias para a análise da herança pombalina na cultura brasileira», in ibid., t. XXXVII-II, pp. 466-469, Braga, 1982; AA. VV., «O Marquês do Pombal e o seu tempo», in Rev. de História das Ideias, t. I e t. II, n.º 4, Coimbra, 1982; Rómulo de Carvalho, A Física Experimental em Portugal no Século XVIII, Lisboa, 1982; id., História do Ensino em Portugal, Lisboa, 1986; id., A História Natural do Século XVIII em Portugal, Lisboa, 1988; José Esteves Pereira, O Pensamento Político em Portugal no Séc. XVIII – António Ribeiro dos Santos, Lisboa, 1983; id., «Natureza e expressões do saber», in Prelo, n.º4. 1984, pp. 71-84; id., «Pensamento filosófico em Portugal, conhecimento, razão e valores nos sécs. XVIII e XIX», in História e Filosofia, vol. IV, pp. 751-781. Lisboa, 1986; AA. VV., «Como interpretar Pombal», in Brotéria, Lisboa, 1983; AA. VV., Pombal Revisitado, 2 vols. Lisboa, 1984; Manuel Maria Carrilho, Razão e Transmissão da Filosofia, Lisboa, 1988; Maria Adelaide Salvador Marques, A Real Mesa Censória e a Cultura Nacional, Coimbra, s/d; Manuel Augusto Rodrigues, Alguns Aspectos da Reforma Pombalina da Universidade de Coimbra – 1772, Coimbra s/d; Antunes Borges, «Do galicanismo de Luís XIV ao regalismo de D. João V», in Lumen, pp. 184-196, s/d.

(Pedro Calafate)

Anúncios

Responses

  1. reflexos do iluminismo em portugal

  2. ridiculo

  3. Hi!
    Gimme url to downloading XRumer 5.0 warez!
    Thank you…
    Very-very much.
    I’m so need this program for promote my website!!! This software is the best thing for online promo and mass posting, you know…

    And, dont send me XRumer 2.9 and XRumer 3.0 – that versions are too old!

    P.S. Google cant help me((((

  4. Hi,  We have several projects running at the moment and we are looking for High-Dome native English speaker for our Affiliate Partnership Programme
     (SEO PARTNER HIGHLY WANTED)
    We provide you with our resource – and you earn the money!
    We offer you fee for each paid subscription. For those who are Geeks in this area we consider partnership for other projects
    https://www.getafreelancer.com/projects/419584.html

  5. asdf12345

  6. The best scenes whith Elizabeth Banks (hot and sexy)!
    click here Elizabeth Banks nude gallery sextape or just follow the link http://digg.com/celebrity/Elizabeth_Banks_nude_pictures_naked_video_sextape
    You MUST SEE it, this chik really HOT!!!

  7. Hi all, I ‘ve heard that Czech real estate prices goes cheaper? where can i take information concerning about it? maybe who knows?

  8. Mr. Nunis is happy to acknowledge that he gives other people an opportunity to make their own financial decisions, manage risks, and obtain profits. Mr. Nunis is full of plans and tasks for the future, and hopes to realize many other successful innovative projects. His advice to every one seeking success and financial stability: Do not be afraid of trying! If you want something very much – go for it! See more on his web-site.
    Mitchell Nunis – success and financial stability

  9. . .
    .

  10. DarboCentras – puiki vieta rasti darba !

  11. порное видео


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: